Economia

Produção industrial dá força a corte da Selic em agosto, diz Capital Economics

Atualizado 04/07/2023 às 11:15:09

A produção industrial brasileira subiu 0,3% na base mensal em maio, marginalmente acima do consenso do mercado (+0,1%) e sem força para reverter a queda de abril (-0,6%). Para a consultoria britânica Capital Economics, esse resultado reforça o argumento da ala mais dovish do Copom pelo corte de 0,25 ponto percentual da Selic em agosto.

Em um ano cheio de soluços para a indústria, com recuos na produção em janeiro (-0,3%), fevereiro (-0,2%) e abril, a queda acumulada ainda é de 0,2%. O IBGE fez revisão altista da taxa de março, que foi a maior do ano, de 1% para 1,1%. Nos 12 meses encerrados em maio, a variação é nula.

O economista-chefe da Capital Economics, William Jackson, disse em relatório que as dificuldades da indústria sugerem que o PIB do 2TRI será menor que as expectativas, mas é preciso aguardar os resultados de varejo e serviços, na semana que vem.

Com o resultado de maio, a indústria ainda está 1,5% abaixo do patamar pré-pandemia, em fevereiro de 2020, e 18,1% abaixo do recorde da série histórica, de maio de 2011.

No detalhe, o IBGE aponta sinais positivos na pesquisa, como a disseminação de taxas mensais positivas em três das quatro grandes categorias da indústria e 19 dos 25 ramos pesquisados. Foi o maior espalhamento desde setembro de 2020, segundo o gerente da pesquisa, André Braz. Naquele mês houve crescimento em 23 atividades, que se recuperavam das perdas agudas dos dois primeiros meses da pandemia.

As maiores contribuições para a alta de maio vieram dos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (7,7%), veículos automotores, reboques e carrocerias (7,4%) e máquinas e equipamentos (12,3%). Pressão negativa veio de produtos alimentícios (-2,6%), no quinto mês de queda.

A categoria de bens intermediários, que engloba 55% da indústria brasileira, teve avanço mensal de apenas 0,1% (anual de 3,1%) e está 15,2% abaixo do pico histórico, em 2011. É a que inclui produtos minerais, metalúrgicos, têxteis, papel e celulose, produtos químicos, borracha, plásticos, componentes elétricos e eletrônicos.

Bens duráveis subiram 9,8% em maio, revertendo a queda de 4,5% em abril, e 11,1% no ano. Estão 34,6% abaixo do pico de 2011. Bens de capital tiveram alta mensal de 4,2%, com destaque para equipamentos para os setores agrícola e de construção, e queda anual de 11,6%. Em relação ao pico, a queda é de 32,4%.

Em maio, na margem, a produção só recuou (-1%) na categoria bens semiduráveis, que inclui vestuário e outros, e não duráveis. No ano, a alta foi de 0,9%. A categoria está 15,7% abaixo do pico, em junho de 2013.

Veja Também