Petróleo

Petróleo fecha em alta e tem maior ganho mensal desde janeiro de 22

Atualizado 31/07/2023 às 16:01:23

As cotações do petróleo fecharam com alta nesta 2ªF e subiram mais de 10% no mês, com sinais de que a demanda está em ritmo forte no momento em que os membros da Opep+ reduzem a produção.

A expectativa de que o Fed está perto de encerrar o ciclo de aperto monetário também ajudou o sentimento positivo do mercado e os preços apagaram as perdas acumuladas no ano.

“A demanda recorde e os cortes na oferta saudita trouxeram os déficits de volta”, disse o Goldman Sachs, em nota. “O mercado abandonou seu pessimismo”. O banco revisou a previsão de demanda global em 2023 para um nível histórico de 102,8 milhões de bpd, citando um risco reduzido de recessão e um grande esforço da Opep para impulsionar preços.

O Goldman Sachs manteve a previsão de US$ 86 o barril do Brent em dezembro de 2023 e espera que os preços subam para US$ 93 o barril no segundo trimestre do ano que vem, à medida que os déficits de oferta continuem. A instituição acrescenta que vê o corte adicional saudita de 1 milhão de bpd durando até setembro e caindo pela metade a partir de outubro.

No fechamento, o Brent para outubro sobe 1,20%, a US$ 85,43 por barril, na ICE. No mês, o Brent subiu 13,8%; no ano avança 3,4%. O WTI para setembro subiu 1,51%, a US$ 81,80 por barril, na Nymex. No mês, teve alta de 15,9%; no ano avança 3,50%. Os ganhos mensais foram os maiores desde janeiro de 2022. (BDM Online + agências)

Veja Também