Juros

Juros futuros tombam no pós-CMN com ajuda de Petrobras e PCE

Atualizado 30/06/2023 às 18:05:45

Os juros futuros fecharam com queda expressiva nesta 6ªF, especialmente na ponta longa, ainda embalados pela decisão de ontem do CMN, pela redução no preço da gasolina anunciada hoje pela Petrobras e pela desaceleração da inflação nos EUA, que empurrou os Treasuries para baixo. O CMN seguiu o roteiro ao confirmar a meta de 3% para 2026 e anunciar o sistema de meta contínua, o que colabora para a convergência das expectativas do mercado para a meta a partir de 2025, dando suporte para que o Copom inicie o corte da Selic em agosto.

A redução de 5,3% no preço da gasolina, por sua vez, deve tirar de 0,13 pp do IPCA em julho, abrindo terreno para que o índice no ano se aproxime do teto da meta (4,75%) e dando mais um argumento para o corte da Selic. Para completar o cenário benigno para as taxas, o PCE, dado de inflação preferido do Fed, confirmou desaceleração dos preços nos EUA, o que fez o mercado acreditar que o fim do ciclo de aperto monetário está mais perto, tirando prêmio dos Treasuries e ajudando as taxas longas por aqui a acentuar a queda.

No fechamento, o DI para Jan/24 marcava 12,850% (de 12,924% no ajuste de ontem); Jan/25 a 10,745% (de 10,876%); Jan/26 a 10,090% (10,265%); Jan/27 a 10,115% (10,322%); Jan/29 na mínima de 10,420% (10,667%); e Jan/31 na mínima de 10,590% (10,838%). (Téo Takar)

Veja Também