Juros

Juros fecham em queda firme, com Treasuries fatores domésticos

Atualizado 27/11/2023 às 18:05:59

Os juros futuros fecharam com queda na B3, acompanhando os retornos dos Treasuries, abatidos por um bom leilão de notes de 2 anos, com demanda acima da média e no menor rendimento desde julho.

Depois, um leilão de notes de 5 anos teve demanda abaixo da média e juro acima, mas o retorno foi menor que o de mercado naquele momento, ajudando as taxas a se ajustarem mais para baixo.

O dado ruim de vendas de moradias novas em outubro – queda de 5,6% para uma previsão de +2,8% – ajudou na descompressão ao reforçar a expectativa de fim de aperto monetário nos EUA.

Por aqui, números melhores da arrecadação federal em outubro e a maioria no STF para autorizar o governo a quitar R$ 95 bilhões em precatórios neste ano foram pontos positivos para o mercado. Para o ex-Tesouro Carlos Kawall, a decisão do STF “pareceu ser a melhor possível” e a “quitação dos precatórios aumenta a transparência na gestão da dívida pública”.

Agora, os investidores estão à espera do IPCA-15 de novembro, amanhã, a votação dos PLs das bets e dos fundos offshore e exclusivos na 4ªF e o veto do Congresso ao veto do presidente da desoneração de 17 setores, ainda sem data marcada, além de uma semana cheia nos EUA também.

No fechamento, o contrato DI para jan/25 caiu a 10,415% (de 10,438%, na 6ªF); o jan/26 cedeu a 10,085% (de 10,168%). O jan/27 caiu a 10,210% (de 10,330%); o jan/29, a 10,630% (de 10,766%). O jan/31 recuou a 10,870% (de 10,984%) e o Jan/33, a 10,950% (de 11,077%). (Ana Conceição)

Veja Também