Morning Call

Efeito Powell ainda pode ocupar negócios

Atualizado 01/02/2024 às 02:47:44

Por Rosa Riscala e Mariana Ciscato*

[01/02/24]

… O PMI industrial chinês medido pelo setor privado ficou estável em janeiro, a 50,8, mas superou a previsão de 50,5. Só não se sabe se será garantia de ânimo para os negócios, que vêm exibindo cautela com a China. No day after do Fed e do Copom, o BC inglês deve manter o juro (9h), com placar unânime. O primeiro corte do BoE só é esperado pelo mercado financeiro para a partir de maio. Na zona do euro, sai a inflação do CPI de janeiro (7h), além do PMI industrial (6h), que também será divulgado nos EUA. A maior expectativa em NY fica pelos balanços da noite, com mais três gigantes do setor de tecnologia: Apple, Amazon e Meta. Além disso, os negócios podem continuar absorvendo Powell, que enterrou a chance de o juro começar a cair em março. O mercado doméstico tem tudo para acompanhar o exterior, porque o comunicado do Copom não rendeu nenhuma novidade.

… O texto do BC, praticamente igual ao anterior (dezembro), dispensa ajuste relevante no DI curto. Já o trecho longo pode engatar na abertura alguma dose de pressão com o Fed, que vai demorar mais para cortar o juro.

… O Copom não encurtou o horizonte de cortes, mas manteve a barra alta para acelerar o pace (-0,75pp).

… Depois de baixar a Selic para 11,25%, o BC não mexeu em quase nada do comunicado, inclusive no parágrafo mais importante, contratando novas quedas do juro de igual magnitude (0,50pp) para as próximas reuniões (no plural).

… Isso significa que março continua dado e que maio também não reserva surpresas, projetando recuo de 100pb até lá, para 10,25%. O que vai continuar movimentando os negócios são as apostas para o tamanho do ciclo.

… As chances de Selic terminal de 9% ou menos continuarão condicionadas, em grande medida, ao exterior.

… O Copom considera que o cenário externo segue volátil, incerto e que exige “cautela” por parte de países emergentes, apesar do início da flexibilização monetária nas principais economias e sinais de queda na inflação.

… A menção ao debate sobre a queda de juros nos exterior pode ser considerada a única novidade do texto, segundo o economista-chefe do PicPay, Marco Caruso. “O Copom está confortável com seu plano de voo.”

… Sobre o quadro doméstico, o comunicado avaliou que o ritmo de queda da Selic é apropriado para manter a política monetária contracionista, necessária para o processo desinflacionário e para as expectativas de inflação.

… O Copom citou a resiliência da inflação de serviços como risco, mas disse que a inflação cheia ao consumidor mantém trajetória de desinflação, “assim como as medidas de inflação subjacente, que se aproximam da meta”.

… O Comitê não ajustou suas expectativas para a inflação de 2024 (3,5%) e nem para o ano que vem (3,2%). Em relação à atividade doméstica, disse que o quadro segue consistente com o cenário de desaceleração da economia.

… Sobre o quadro fiscal, limitou-se a reafirmar a importância da “firme persecução das metas”. O Copom votou de forma unânime, afastando o risco de dissidência com a entrada dos novos diretores indicados pelo presidente Lula.

FICA A DICA – No recado explícito de Powell, de que março é “cedo demais” para cortar juro, NY eliminou boa parte da precificação dovish do 1Tri (35%) e jogou para maio (94%), porque a esperança é a última que morre, mas morre.

… Segundo o presidente do Fed, não há confiança suficiente de que a inflação está voltando à meta de 2% de modo sustentado e será necessário continuar a observar. A mensagem do Fomc é que vai ganhar tempo antes de agir.

… Antes mesmo de Powell praticamente descartar um relaxamento monetário em março, o statement do Fed já havia revelado algumas mudanças de linguagem que esvaziavam a chance de o ciclo de corte começar mais cedo.

… Embora tenha retirado o trecho sobre um possível aperto monetário adicional, o Fed alterou logo no primeiro parágrafo a avaliação sobre o desempenho da economia, de “desacelerou” para “tem se expandido em ritmo sólido”.

… Ao manter a taxa básica entre 5,25% e 5,50% ontem, o Fed observou que o juro americano está no pico, mas que promover um desaperto monetário muito cedo pode acarretar o risco de reversão do progresso inflacionário.

… Sobre o mercado de trabalho, disse que segue “apertado”, apesar de dar sinais de um quadro de maior equilíbrio. Isso leva a crer que, mesmo que venha fraco amanhã, o payroll não deve sensibilizar o Fed a cortar o juro em março.

… Convencido de que o Fomc não está com pressa, o Morgan Stanley espera o primeiro corte só para junho.

… Segundo a ferramenta do CME, depois do Fed, o cenário de uma queda acumulada de 150pb da taxa básica este ano ficou um pouco menos provável (39,5% para 38,8%), mas ainda é a principal aposta dos investidores em NY.

… Foi Powell falar ontem, para as bolsas em NY acelerarem o pessimismo na reta final dos negócios (abaixo).   

DRIBLE FISCAL – Vice-líder do governo na Câmara, o deputado Pedro Paulo vai apresentar um projeto de lei ou uma emenda para oficializar um mecanismo que bloqueie menos recursos do Orçamento de 2024, informa O Globo.

… Pelo texto do arcabouço aprovado em 2023, o contingenciamento este ano poderia chegar a R$ 53 bilhões.

… Mas o entendimento do Ministério da Fazenda é de que o número máximo teria que ser de R$ 23 bilhões, porque é preciso respeitar a expansão de gastos mínima prevista no arcabouço fiscal, que é de 0,6% acima da inflação.

… Preocupado com a LRF, o governo Lula formalizou a consulta ao TCU para saber se a imposição de um bloqueio menor no Orçamento de 2024 em um cenário de grande frustração de receitas pode gerar punição aos gestores.

… Recentemente, a área técnica do TCU apontou que a expectativa de receitas do governo este ano está “superestimada” e que a falta de credibilidade aponta para déficit fiscal de -0,5% do PIB, ao invés de zero.

… Em estudo divulgado ontem, a Secretaria de Política Econômica (SPE) da Fazenda renovou o otimismo com a arrecadação, projetando 19,2% do PIB, contra receita líquida de 17,5% em 2023, no governo Bolsonaro.

AJUDA ÀS AÉREAS – Prates afirmou, em entrevista ao Broadcast, que a Petrobras está disposta a colaborar com o debate sobre a situação do setor aéreo, mas que não vai reduzir o preço do combustível com um “canetaço”.

… Desde o ano passado, o valor do querosene de aviação (QAV) já foi reduzido em quase 41%, segundo ele, e “abaixar artificialmente o preço representaria a Petrobras subsidiar um setor”, alertou o presidente da estatal.

… O governo Lula marcou reunião para hoje com as companhias aéreas para discutir um pacote de socorro.

… Uma das opções ventiladas na imprensa seria a Petrobras baixar o preço do querosene de aviação (QAV) em 0,5% ou as companhias se juntarem para comprar o combustível diretamente da estatal, reduzindo o custo em até 8%.

ACABOU A SECA – Na retomada do apetite do investidor, as captações externas somaram US$ $ 6,8 bilhões em janeiro, o melhor volume para o mês em 13 anos, no movimento puxado pela emissão de US$ 4,5 bi do Tesouro.

… Entre as empresas, nomes como Cosan, 3R Petroleum, Ambipar e FS Bioenergia se aproveitaram do bom momento para lançar títulos no mercado externo, todas as operações com forte demanda (Broadcast).

FINTECHS X BANCÕES – No novo capítulo da guerra pelo parcelado sem juros, a PGR determinou abertura de procedimento administrativo para apurar se a Febraban e grandes bancos têm cometido prática anticoncorrencial.

… O objetivo é saber se as instituições financeiras estão utilizando sua posição de mercado (oligopólio) para impedir operações realizadas por competidores de menor porte, como o parcelamento sem juros dos cartões de crédito.

… A decisão da PGR foi tomada a partir de representação da Abranet, entidade que reúne o PicPay, PagSeguro e MercadoPago, entre outras empresas, contra três associados da Febraban (Itaú, Santander e Bradesco) e o Nubank.

… À noite, a Febraban reagiu, qualificando a acusação feita pela Abranet à PGR de “leviana e irresponsável”.

REFORMA ADMINISTRATIVA – O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse ao Valor que o governo já está fazendo a reforma e rejeitou a possibilidade de o Executivo apoiar qualquer PEC sobre este tema.

… A declaração vai na contramão do que vem defendendo Lira, que tenta destravar na Câmara a tramitação de uma proposta que foi apresentada em 2020 pelo ex-ministro da fazenda Paulo Guedes, ainda na gestão de Bolsonaro.

… “O novo concurso nacional é uma reforma administrativa profunda. O que [o governo] não tem é uma proposta de destruição do serviço público feita pelo Guedes, que precisava de uma PEC, para tirar da Constituição”, disse Padilha.

MAIS AGENDA – Aqui, o IPC-S (8h) deve acelerar para 0,63% em janeiro, contra 0,29% em dezembro, segundo a mediana das estimativas de pesquisa Broadcast. Às 14h30, o BC divulga os dados semanais do fluxo cambial.

… Haddad, RCN e Lula participam, às 11h, da cerimônia de posse de Lewandowski como ministro da Justiça. À tarde (14h), o presidente da República marca presença na sessão solene de abertura do ano judiciário, no STF.

LÁ FORA – Nos EUA, saem dois indicadores de atividade industrial de janeiro: o da S&P Global (11h45) tem previsão de 50,3, contra 47,9 em dezembro, e o do ISM (12h) deve registrar recuo marginal para 47,3, contra 47,4.

… Às 10h30, os pedidos de auxílio-desemprego têm previsão de estabilidade.

… O PMI industrial também é destaque hoje na Alemanha (5h55) e no Reino Unido (6h30). A Opep+ realiza reunião, mas não existe a expectativa de que promova qualquer alteração na política de produção global de petróleo.

RESSACA – Na correção natural, depois da festa dos recordes em dezembro, o Ibovespa devolveu mais de 6 mil pontos em janeiro, tendo a China e as sinalizações menos dovish do Fed como gatilhos da realização de lucro.

… O Ibovespa saiu da faixa dos 134 mil no rali do Natal para o nível dos 127 mil no pregão de ontem, com queda mensal de 4,79%. Desde agosto do ano passado (-5,09%), o índice à vista da bolsa doméstica não ia tão mal. 

… No pregão desta superquarta, o Ibovespa perdeu força com a piora em NY, depois da coletiva de Powell, mas ainda terminou a sessão em leve alta de 0,28%, aos 127.752,28 pontos, com volume financeiro de R$ 27 bilhões.

… O que ajudou a blindar a bolsa das quedas em NY foi o desempenho majoritariamente positivo das ações dos bancos e ainda o otimismo das varejistas, com o alívio do DI à queda dos Treasuries e o noticiário corporativo.

… A novidade do dia foi a conversa sobre fusão de Arezzo e Grupo Soma, confirmada pelas duas empresas em fato relevante. Soma ON disparou 16,81%, a R$ 7,92, e Arezzo também deu um salto, de 12,09%, a R$ 62,59.

… Terceira maior alta, Magazine Luiza avançou 6,06% (R$ 2,10). Casas Bahia subiu 3,82% (R$ 7,89%). Natura teve alta de 3,43% (R$ 16,00).

… Destoando de outras varejistas, Assaí cedeu 2,78% (R$ 13,66) e Carrefour baixou 2,07% (R$ 10,41).

… A maior queda do dia foi de RaiaDrogasil, com -3,62% (R$ 25,30). O papel reagiu ao rebaixamento pelo Citi da recomendação, de neutra para venda, e do preço-alvo, de R$ 27 para R$ 24.

… Entre os bancos, Itaú Unibanco liderou com +1,08% (R$ 32,78). Bradesco PN subiu 0,52% (R$ 15,35), Bradesco ON, +0,29%, a R$ 13,68; e BB ON avançou 0,39% (R$ 56,45).

… Santander unit foi na contramão (-1,88%, a R$ 28,65) após lucro abaixo do esperado no 4Tri.

…. Vale recuou 1,48%, a R$ 67,76, na mínima do dia, frustrada pelo PMI industrial da China, pelo quarto mês consecutivo em território de contração. O dado derrubou o preço do minério de ferro em Dalian (-3,08%).

… Petrobras teve desempenho misto, mas longe da forte queda da cotação do óleo bruto. A ação ON caiu 0,02% (R$ 42,16) e a PN subiu 0,32% (R$ 40,45).

… Na ICE, o petróleo Brent/abril cedeu 2,36%, a US$ 80,55 por barril. O WTI/março caiu 2,53%, a US$ 75,85, na Nymex, com o inesperado aumento dos estoques nos EUA na semana passada e também o PMI fraco na China.

… O câmbio já estava nos minutos finais, quando Powell afirmou que o corte de juros em março seria improvável. O dólar à vista fechou em leve queda de 0,16%, a R$ 4,9374. Mas pode virar hoje, se continuar reagindo ao Fed.

… A demora do juro dos EUA em cair prejudica o carry-trade, embora o diferencial de juro não esteja dos piores.

… Em janeiro, a moeda americana acumulou alta de 1,73%, diante da percepção, mesmo antes de Powell, de que o Fed vai demorar mais para cortar o juro. Também os riscos fiscais domésticos têm pesado, em alguma medida.

… Nos juros, as taxas seguiram os Treasuries do “miolo” para frente, com as baixas limitadas pelas declarações de Powell. Já o DI Jan25 ficou estável em 9,985%, com o mercado à espera do comunicado do Copom.

… O DI Jan26 caiu a 9,660% (de 9,695%). O Jan27, a 9,790% (de 9,865%); o Jan29, a 10,235% (10,320%); e Jan31, a 10,470% (10,600%).

…  Divulgada pelo IBGE, a taxa de desemprego do 4Tri23, de 7,4%, foi a mais baixa para o período desde 2014, mostrando um mercado de trabalho ainda apertado, o que traz preocupação para os preços dos serviços.

CHOQUE DE REALIDADE – Depois da animação com dados que mostraram desaceleração no mercado de trabalho dos EUA, boa parte de quem ainda esperava por um corte de juro pelo Fed em março jogou a toalha.

… Com uma queda não vista há semanas, os índices de ações mergulharam, depois de Powell dizer ser improvável uma flexibilização já na próxima reunião do Fomc.

… Foi a cereja do bolo, depois de vários dirigentes do Fed passarem as últimas semanas alertando contra o otimismo excessivo do mercado.

… “Se os bulls esperavam um corte nas taxas em março, Powell parece ter fechado a porta para isso”, disse Oscar Muñoz (TD Securities), às agências internacionais.

… Nas bolsas em NY, as perdas foram lideradas pelas grandes empresas de tecnologia, justamente o grupo que liderou o rali recente entre as ações.

… O Nasdaq, que já vinha em queda forte mesmo antes do Fed, acelerou a baixa a 2,23% (15.164,01 pontos). Desde cedo, o investidor exibia decepção com os balanços da Alphabet (-7,35%) e Microsoft (-2,69%).

… Mark Hackett (Nationwide) vê o mercado numa “encruzilhada crítica”, já que o forte impulso experimentado desde outubro tem sido equilibrado por expectativas de lucros corporativos elevados, mas resultados não tão bons.

… Dow Jones caiu 0,83% (38.149,90). O S&P 500 recuou 1,61% (4.845,53), no seu pior desempenho desde setembro.

… No mês, contudo, o resultado foi positivo: 1,02%, 1,22% e 1,59%, respectivamente. Foi um período em que o mercado andou animado com a perspectiva de pouso suave nos EUA e ganhos corporativos com a IA.

… Já são três meses de ganhos consecutivos nas bolsas, desde outubro do ano passado.

… No folclore de Wall Street, o desempenho de janeiro determina o ano (“as goes january, so goes the year”), um fenômeno conhecido por “barômetro de janeiro”.

… Desde 1938, segundo a Bloomberg, o barômetro acertou 74% das vezes.

PAUSA HAWKISH – Enquanto Powell contribuía para estragar o dia nas bolsas, reduzia a queda dos juros dos Treasuries, com março fora do radar como timing para o início do ciclo de relaxamento monetário.

… O yield da note de 2 anos recuou a 4,221% (de 4,328% no pregão da véspera), o da note de 10 anos caiu a 3,953% (de 4,031%) e o do T-bond de 30 anos, a 4,194% (de 4,254%).

… Já pela manhã, os retornos reagiam em baixa ao relatório da ADP de emprego no setor privado (107 mil), bem abaixo do esperado (145 mil).

… Outro vetor a afetar os Treasuries foram novas preocupações com os bancos regionais nos EUA, depois do forte prejuízo do New York Community Bancorp no 4Tri. A ação caiu 37,6% e levou outros bancos médios junto.

… No câmbio, apesar do Fed, o índice DXY (que mede a força do dólar) caiu 0,12%, a 103,274 pontos.

… O euro recuou 0,39%, a US$ 1,0803, depois de a leitura anual do CPI preliminar da Alemanha em janeiro ter desacelerado a 2,9%, de 3,7% em dezembro. Analistas esperavam +3,1%.

… Ainda no país, as vendas do varejo tiveram uma queda inesperada de 1,6% em dezembro sobre novembro e uma retração de 3,3% em 2023. No dado mensal, esperava-se alta de 0,8%.

… A libra cedeu 0,26%, a US$ 1,2666, na véspera da decisão do BoE. O iene registrou alta de 0,46%, a 147,33/US$.

EM TEMPO… PETROBRAS recebeu R$ 1,819 bi do complemento da compensação de 2023 do bloco de Sépia e Atapu.

JBS. Capital Research elevou participação para 5,02% das ações ON.

BB vai reduzir juro de linhas para PJ e PF após queda da Selic; juros podem ficar até 0,04pp mais baixos, a depender da linha.

ENERGISA. Tarifa da ES Gás ao consumidor vai cair 2,87% a partir de hoje.

AMERICANAS registrou 542 admissões e 73 demissões no período entre 22 e 28 de janeiro; no mesmo intervalo, varejista teve 147 pedidos de saída e 56 términos de contrato de experiência.

AOS ASSINANTES DO BDM, BOM DIA E BONS NEGÓCIOS!

*com a colaboração da equipe do BDM Online

AVISO – Bom Dia Mercado, produzido pela Mídia Briefing, não pode ser copiado e/ou redistribuído.

Veja Também