Morning Call

Depois de Galípolo, RCN fala hoje. Em NY, tem Powell

Atualizado 01/12/2023 às 02:36:05

Por Rosa Riscala e Mariana Ciscato*

[01/12/23]

… Vários índices da atividade global em novembro serão divulgados hoje. Já de madrugada, saíram os PMIs do Japão, que caiu, e da China, que subiu para o território de expansão. À primeira hora, vêm os dados da Alemanha, zona do euro e Reino Unido. Também nos EUA, a S&P Global e o ISM conferem o ritmo da economia, depois do salto em Chicago, que corrigiu o otimismo excessivo e as expectativas num corte antecipado do juro em março. O investidor em NY volta a apostar em maio. Nesse freio de arrumação, Powell fala duas vezes (13h e 16h). Aqui, tem produção industrial de outubro (9h) e a balança comercial de novembro (15h). Na Febraban, em almoço de fim de ano, Campos Neto participará de talk show (12h15). E o que o mercado quer saber é se ele vai confirmar a mensagem dovish de Galípolo.

… As declarações do diretor de Política Monetária do BC em evento do JPMorgan, que sempre têm maior status pela possibilidade de ele ser o substituto de RCN em 2025, movimentaram o dia dos mercados, nesta 5ªF, animando a curva de juros e a bolsa (abaixo).

… Otimista, Galípolo disse que sempre teve uma visão mais benigna para o Brasil neste ano, apesar do cenário externo desafiador, “desde o meu antigo emprego”, observando que variáveis importantes para o País, como petróleo e câmbio, se comportaram bem.

… Na sua avaliação, uma combinação de vantagens comparativas, como a política monetária apertada, as reservas internacionais, o forte superávit comercial e o fato de ser exportador líquido de petróleo, mantiveram o Brasil competitivo.

… Para ele, a força do mercado de trabalho e a resistência da economia são uma surpresa positiva, porque mostram que o Banco Central tem conseguido debelar a inflação, que “vem se comportando bem”, sem impactos sérios sobre a atividade.

… “O que a gente tem tentado fazer é não se emocionar muito com os dados, especialmente os de alta frequência, e tentar se beneficiar do fato de que estamos num ponto do ciclo que permite ver como isso se desenrola. Continuamos dependentes dos dados.”

… Galípolo disse o Copom está confortável com o ritmo de cortes de 50 pontos da Selic. “Mas, se os dados mudarem, minhas próprias opiniões sobre a condução da política monetária também podem mudar.” Foi aí que deu a senha para o mercado se empolgar.

… Disse que, ao contratar cortes de 50pbs nas próximas reuniões, o BC levou a discussão mais para o orçamento total do que para o ritmo de baixa. Mas que tem sentido no mercado, em conversas recentes, “um sentimento de que haveria espaço para acelerar os cortes”.

… Nas últimas entrevistas, também Campos Neto vem demonstrando grande otimismo, mas até agora não avançou na política dos juros. Continua defendendo os cortes de 50pbs, enquanto o mercado já arrisca um pouco mais mesmo para este mês.

… Hoje, o presidente do BC terá a chance de validar os sinais de Galípolo, ou ajustar as expectativas que voltaram a ressurgir.

GRANDE ALÍVIO – O governo já tem pronta uma medida provisória que libera R$ 95 bilhões para quitar imediatamente os precatórios represados pela chamada “PEC do Calote”, que postergou o pagamento dessas dívidas judiciais da União até 2026.

… Em julgamento da ação da AGU no plenário virtual do STF, encerrado às 23h59, a Corte votou favoravelmente ao pedido do governo para permitir a abertura de crédito extraordinário, que ficará fora do limite de despesas e não impactará na meta fiscal.

… O secretário de Orçamento Federal do Planejamento, Paulo Bijos, disse que as equipes técnicas passaram o dia trabalhando na MP, que será “ato contínuo” à decisão final do STF para que o pagamento ocorra ainda em 2023.

… A conta de R$ 95 bilhões inclui tanto o passivo acumulado até 2023 quanto os precatórios que deixariam de ser pagos em 2024. Sem essa medida, o limite anual imposto para o pagamento dos precatórios formaria uma bola de neve de R$ 250 bilhões em 2027.

… A mesma sistemática, de abertura de crédito extraordinário, sem infringir as regras fiscais, também valerá para 2025 e 2026, ou seja, os valores que excederem o “subteto” dos precatórios nesses dois anos também ficarão fora da meta fiscal.

… Além de o governo se livrar de um “tsunami”, como diria o ex-ministro Paulo Guedes, o pagamento do estoque dos precatórios injetará na economia o volume considerável de R$ 95 bilhões nesse fim de ano.

BRASIL NA OPEP – Se o Brasil entrar no grupo dos grandes países produtores de petróleo, será na Opep+, não na Opep, como deixou bem claro o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, dizendo que o governo vai analisar o convite que recebeu.

… “A Opep+ não tem nada a ver com a Opep”, disse ele, explicando que a Opep atua de forma conjunta para regular a oferta global de petróleo. Já a Opep+, que agrega outros 20 países, é uma plataforma de discussão da indústria petroleira.”

… Em meio à COP28, Silveira disse que o Brasil não pode abrir mão de suas riquezas para ser a “salvaguarda” na questão climática.

… Em discurso na abertura do evento, Silveira confirmou que o Brasil deverá ingressar na Opep+ em janeiro de 2024, mas que isso não vai influenciar a produção nem os preços de combustíveis no País.

… O Brasil já exporta cerca de 45% de todo petróleo que produz, porcentual pode superar 60% nos próximos anos, segundo especialistas.

… Hoje, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação lança, em Dubai, editais que totalizam a soma de R$ 28 bilhões para financiamento de projetos nas áreas da transição energética, bioeconomia, infraestrutura e mobilidade.

… Nesta 5ªF, membros da Opep se reuniram e decidiram promover cortes voluntários para reduzir a produção em 2,2 milhões de barris por dia a partir de 2024. Mas o mercado não botou fé, e o petróleo, depois de muito oscilar, caiu (leia abaixo).

TUDO RESOLVIDO – O ensaio de crise entre o STF e o Senado, após a aprovação da PEC que limita os poderes da Corte, caminha para uma solução política, liderada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, e o decano do Supremo, ministro Gilmar Mendes.

… Na impossibilidade de engavetar a proposta, diante das pressões dos líderes, a ideia é resgatar um projeto mais ameno, de autoria do deputado Marcos Pereira, vice-presidente da Casa, que está na CCJ e foi apelidado de “PL da Moderação dos Poderes”.

… No Estadão, o texto é resultado de propostas feitas em 2020 por uma comissão de juristas presidida por Gilmar Mendes.

… O receio dos magistrados é de que a PEC, se aprovada na Câmara, abra a porteira para propostas mais radicais, como impeachment de ministros do tribunal, que é o sonho dos parlamentares mais conservadores, em especial, dos bolsonaristas.

MAIS AGENDA – A sazonalidade de fim de ano e a base comparação fraca devem justificar a aceleração da produção industrial para 0,4% em outubro, na mediana de pesquisa Broadcast, contra 0,1% em setembro. Às 9h.

… O intervalo das estimativas no mercado financeiro vai de um recuo de 0,1% até um avanço de 0,8%.

… Para a balança comercial, a aposta é de superávit de US$ 9,215 bilhões em novembro, diante das fortes exportações de commodities e, em contrapartida, queda das importações (efeito da desaceleração econômica). Às 15h.

… Com as passagens aéreas mais baratas, o IPC-S (8h) deve arrefecer para 0,37% em novembro, contra 0,45%.

LÁ FORA – Com NY baixando a bola das apostas antecipadas de corte de juro pelo Fed, o mercado financeiro confere as leituras finais de novembro do PMI industrial medido pela S&P Global (11h45) e pelo ISM (12h).

… Saem ainda os investimentos em construção em outubro (12h) e os dados da Baker Hughes (15h).

… Além de Powell (13h e 16h), dois dirigentes do Fed falam: Michael Barr (5h) e Austan Goolsbee (11h).

… A presidente do BCE, Christine Lagarde, participa de painel econômico às 8h30, depois da rodada dos PMIs industriais de novembro, que sairão na Alemanha (5h55), na zona do euro (6h) e no Reino Unido (6h30).

CHINA HOJE – Na volta para o território de expansão, o PMI/S&P Global industrial subiu de 49,5 em outubro para 50,7 em novembro, atingindo o maior nível em três meses. O resultado superou de longe a expectativa de 49,8.

JAPÃO HOJE – O PMI industrial recuou de 48,7 em outubro para 49,8 em novembro, segundo leitura final divulgada pela S&P Global. Os números apontam que a atividade do setor seguiu contraindo em novembro.

GUERRA – O Hamas violou o cessar-fogo com lançamento de foguetes e Israel retomou bombardeios a Gaza.

GUARDA MAIS BAIXA – RCN servirá de “tira-teima” aos comentários de Galípolo. Mas fosse a barra do BC tão alta assim para mudar o ritmo de corte da Selic, será que o diretor de Política Monetária teria plantado a dúvida dovish?

… Só de deixar no ar a esperança de que o Copom possa acelerar a queda do juro para 0,75pp em algum momento, Galípolo já operou a ponta curta do DI, que contou ainda com a virada de baixa do petróleo para devolver prêmio.

… O contrato de juro para jan/26 furou os 10% pela primeira vez desde agosto, pagando 9,980% (de 10,033% na véspera). O jan/25 caiu a 10,320% (de 10,414%). Já o jan/27 ficou praticamente estável, em 10,095% (de 10,098%).

… No trecho de longo prazo, a alta veio de carona no avanço dos juros dos Treasuries. O jan/29 subiu para 10,530% (de 10,507%), o jan/31 avançou a 10,770% (contra 10,721%) e o jan/33 acelerou para 10,870% (de 10,811%).

… Em plena briga da ptax (+0,86%, a R$ 4,9355), o freio nas apostas de corte do Fed em março veio a calhar aos interesses especulativos dos comprados. No câmbio, o dólar à vista (+0,56%) voltou à faixa de R$ 4,91, a R$ 4,9152.

… Mas a moeda americana terminou novembro com queda acumula de 2,5%. Desde junho não caía tanto, no movimento atrelado à interpretação do mercado de que a taxa de juro do Fed não vai demorar tanto para cair.

… No câmbio futuro, o contrato da moeda americana para janeiro registrou alta de 0,44%, cotado a R$ 4,9440.

… Profissionais de mercado consultados pelo Broadcast alertaram sobre possível fuga de capital do Brasil, diante da taxação de fundos offshore (de 15%), aprovada esta semana no Senado e que vai agora para sanção presidencial.

EMBELEZAMENTO DE CARTEIRA – Ajustes de fim de mês bombaram o giro do Ibovespa para R$ 33,7 bilhões, bem acima das médias recentes (R$ 23 bilhões), e consolidaram o melhor novembro para a bolsa em três anos.

… O “efeito Galípolo”, de queima de prêmio no DI curto, entrou ontem como estímulo extra para o índice à vista fechar o pregão em alta firme de 0,92% e defender até o fechamento os 127 mil pontos (127.331,12).

… Novembro terminou com ganho acumulado de 12,54% para o Ibovespa, no mês marcado pela acomodação dos juros dos Treasuries lá fora, depois da explosão para os 5%, e pela vitória de Haddad na meta fiscal.

… A bolsa correu forte no penúltimo mês do ano, quando comparada ao desempenho dos três meses anteriores: em outubro, caiu 2,94%; em setembro, a valorização foi limitada a 0,71%; e, em agosto, registrou queda de 5%.

… No rali pré-Natal, Petrobras (ON, +0,94%, a R$ 37,70; e PN, +1,93%, a R$ 35,91) quis sair bem na foto no encerramento de novembro e ignorou a queda do petróleo e aprovação em AGE da mudança do estatuto social.

… Na prática, a alteração facilita as indicações políticas para cargos de alto escalão na estatal. Apesar de negativas, as mudanças já estavam precificadas pelo mercado, segundo relatório divulgado pelo Citibank.

… Lá fora, os cortes individuais de produção da Opep+ não convenceram e derrubaram o barril de petróleo.

… A Arábia informou o prolongamento da sua redução de 1 milhão bpd na produção, até o fim do 1Tri do ano que vem. A Rússia vai ampliar o seu corte voluntário de oferta de petróleo em 200 mil bpd, a 500 mil bpd.

… Também restringiram suas produções: Iraque (223 mil bpd), Emirados Árabes (163 mil), Kuwait (135 mil), Casaquistão (82 mil), Argélia (51 mil) e Omã (42 mil). No total, a oferta será enxugada em 2,2 milhões de bpd.

… Preocupa o fato de os cortes serem de curto prazo, válidos apenas até março do ano que vem. Além disso, pegou mal o fato de o cartel e seus aliados não terem conseguido chegar a uma estratégia unânime.

… Segundo analistas, a natureza voluntária das reduções gera ceticismo sobre a sua implementação.

… Volátil, primeiro o petróleo disparou perto de 3%, para depois virar para o negativo. O contrato do Brent para fevereiro registrou desvalorização de 2,43% e fechou cotado a US$ 80,86 o barril na Ice londrina.

… Confiante em novos estímulos da China para estabilizar o crescimento, Vale subiu 0,54%, a R$ 73,85.

… Os bancos também terminaram no azul, com altas expressivas: BB ON (+2,92%; R$ 54,27), Itaú (+1,54%; R$ 31,59), Santander unit (+0,98%; R$ 31,00), Bradesco ON (+0,92%; R$ 14,28) e Bradesco PN (+0,87%; R$ 16,27).

… Embora não seja o melhor desfecho, o setor financeiro vê com bons olhos a proposta articulada pela Fazenda para mudar as regras do JCP, buscando um meio-termo para não eliminar de vez o mecanismo, o que é bom.

… A intenção da equipe econômica é limitar a dedução de JCP a 50% do lucro tributável das companhias e aumentar a cobrança sobre os valores distribuídos aos acionistas de 15% para 20% de imposto de renda.

… Segunda pior colocada do Ibovespa ontem, só atrás de Marfrig (-6,54%), a Braskem (PNA, -6,45%) perdeu R$ 1 bilhão em valor de mercado, fortemente penalizada pelo risco de colapso em mina de Maceió (AL).

… A prefeitura decretou estado de emergência e a empresa foi intimada pela Justiça em uma nova ação de autoridades federais e de Alagoas sobre danos causados pela petroquímica no solo de bairros da cidade.

QUEIMOU A LARGADA – Louco para embarcar no pivô dovish do Fed, o mercado antecipava para março a aposta no início do ciclo de corte do juro, mas ontem corrigiu a precificação mais exagerada, à espera de Powell.  

… O gatilho para a correção partiu do PMI medido pelo ISM de Chicago, que saltou de 44,0 em outubro para 55,8 em novembro, bem acima da previsão do mercado, de 45,2, e no patamar mais elevado em um ano e meio.

… O dado falou mais alto do que o PCE, que ficou estável em outubro, quando se esperava alta de 0,1%. Na comparação anual, o índice subiu 3% (menor nível desde março de 2021), também abaixo da expectativa (3,1%).

… Já o núcleo do PCE avançou 0,2% em outubro e 3,5% na comparação anual, em linha com as projeções.

… A ferramenta do CME voltou a indicar chance majoritária de manutenção da taxa de juro em março (52,6%), contra 45,2% de corte. Mas o mercado espera amplamente que o Fed relaxe na reunião de maio (76,6%).

… O ajuste de timing puxou o dólar e os juros dos Treasuries. A taxa da Note-10 anos voltou a superar 4,30%. Fechou a 4,355%, de 4,272% na véspera. Para a Capital Economics, NY subestima um Fed agressivo na queda.

… A consultoria prevê cortes pesados no juro e diz que o yield da Note-10 cairá a 3,75% no fim do ano que vem.

… Ontem, o retorno do T-Bond de 30 anos ficou acima de 4,5% novamente, a 4,514%, contra 4,448% na 4ªF.

… Há dias, o dólar não tinha um pregão tão favorável, aparando os excessos da política do Fed e tendo ainda a seu favor a inflação (CPI) da zona do euro em novembro (+2,4%) mais fraca do que a previsão de 2,7%).

… Não demorou para o mercado despertar apostas de que o BCE possa começar a cortar juros em junho, embora o dirigente Joachim Nagel tenha advertido que ainda é “muito cedo” para pensar nisso.

… O euro caiu 0,76%, a US$ 1,0883, a libra recuou 0,55%, a US$ 1,2620, e o iene perdeu 0,77%, a 148,27/US$.

… O fôlego das taxas dos Treasuries impediu o Nasdaq (-0,23%; 14.226,22 pontos) de acompanhar a alta do S&P 500 (+0,38%; 4.567,80 pontos) e do Dow Jones, que foi longe (+1,47%, a 35.950,89) com o noticiário corporativo.

… As ações da Salesforce dispararam 9,36%, após a empresa anunciar lucro que superou expectativas do mercado. De seu lado, Boeing ganhou 3,21%, depois que o Canadá fechou acordo de compra de aeronaves da empresa.

EM TEMPO… ITAÚ aprovou em AGE a proposta anunciada em 31/10 para cisão total do Itaú BBA e sua consequente extinção, com a incorporação das parcelas patrimoniais cindidas pelo banco e pela Itaú Assessoria.

CSN confirmou a precificação da oferta de notes emitidos por sua subsidiária CSN Resources no valor de US$ 500 milhões, com vencimento em 2030 e juros de 8,875% ao ano; a liquidação das notes está prevista para 5/12.

PETRORECÔNCAVO aprovou a distribuição de R$ 160 milhões em JCP, o equivalente a R$ 0,5459 por ação, com pagamento em 15/12; ex em 6/12.

MARFRIG anunciou que antecipou as suas metas de rastreabilidade de bovinos em cinco anos, para 2025.

TELEFÔNICA. Subsidiária Telefônica Infraestrutura e Segurança (TIS) incorporou a Vita It, sociedade adquirida no ano passado e que atua como integradora de soluções para empresas.

TOTVS. Subsidiária Soluções em Software e Serviços TTS firmou acordo para aquisição da totalidades das ações da Ahgora HCM por R$ 380 milhões.

SANEPAR. AGE de microrregiões paranaenses aprovou adequação de 25 contratos provisórios até junho de 2048.

VIBRA ENERGIA concluiu o encerramento da joint venture com a Americanas SA no segmento de conveniência.

GAFISA. Acionista Pedro Cardoso Novellino elevou participação de 9,17% para 11% do capital social da companhia, passando a deter 6.958.600 de ações ON.

B3. Citi tem recomendação neutra para a ação, com preço-alvo de R$ 13,50…

… Banco espera melhora no volume financeiro médio diário negociado na B3 em novembro, projetando total de R$ 25,4 bi, queda anual de 28%, mas alta de 13% ante outubro.

SEM GREVE. Motoristas de ônibus municipais de São Paulo desistiram de realizar paralisação nesta 6ªF.

AOS ASSINANTES DO BDM, BOM DIA E BONS NEGÓCIOS!

*com a colaboração da equipe do BDM Online

AVISO – Bom Dia Mercado, produzido pela Mídia Briefing, não pode ser copiado e/ou redistribuído.

Veja Também