Entrevista

CNI: Davi Bontempo diz que plano industrial do governo “veio em boa hora”

Atualizado 01/02/2024 às 18:24:00

https://www.bomdiamercado.com.br/wp-content/uploads/2024/02/davi-bontempo-cni-industria-2.jpg

[01/02/24] Da Redação do Bom Dia Mercado

A nova política industrial do governo federal, intitulada “Nova Indústria Brasil”, anunciada na semana passada, veio em boa hora e pode colocar o Brasil em vantagem competitiva, em temas como transição energética, e atrair capital estrangeiro. A declaração é de Davi Bontempo, gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“Acho que o [novo] plano [industrial] veio em boa hora”, afirma Bontempo, em conversa para o BDM Entrevista. Segundo ele, o programa do governo aborda e trabalha bem o tema de transição energética.

“Para você fazer uma transição energética, você precisa de financiamento sustentável. O plano traz e toca bastante nesse assunto como um tema horizontal, que vai fomentar várias outras temáticas”, diz.

Em 2023, a CNI criou o Mapa Estratégico da Indústria. Semelhante em alguns pontos com o plano do Executivo, o documento mostra uma visão de longo prazo para o desenvolvimento e crescimento da indústria brasileira.

Entre os pontos que se destacam no plano, Bontempo cita segurança energética, carbono e segurança alimentar.

O gerente-executivo da CNI aponta para alguns pontos que o País é competitivo, como a política de biocombustíveis. “Temos uma política nacional de biocombustíveis. Desde a década de 1970, o Brasil já trabalha com essa agenda”, afirma.

“Hoje, por exemplo, não conheço nenhum posto de combustível ao redor do mundo que você tenha tantas opções, como etanol, biodiesel. O Brasil já largou na frente quando se fala do assunto de biocombustíveis”, completa Bontempo.

O gerente-executivo da CNI enfatiza as vantagens competitivas do Brasil, como a matriz energética limpa, maior biodiversidade e grandes reservas de água.

“Todo esse conjunto coloca o Brasil como um grande potencial. A grande questão é como transformar essas vantagens comparativas que temos e vantagens competitivas para acessar mercados internacionais de uma forma cada vez mais presente.”

Apesar do plano industrial endereçar boas iniciativas, o gerente-executivo da CNI alerta que o Brasil ainda precisa destinar incentivos em outras frentes, como macroeconomia, tributária, relações do trabalho, infraestrutura, educação e inovação. Assim, será possível atrair mais recursos estrangeiros.

“Precisamos olhar para outros assuntos também. Temos questões relacionadas ao custo Brasil, temos questões para resolver na infraestrutura, melhorar o financiamento, trazer inovação dentro das nossas cadeias de valor, endereçar políticas públicas para que a gente possa pavimentar esse caminho regulatório e o empresário possa operar com tranquilidade”, completa.

Sobre questões importantes que ainda faltam ser melhor trabalhadas, Bontempo lembra o mercado de carbono, que tramita no Congresso. No final de 2023, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 2148/15, que regulamenta o setor. O texto está no Senado, que deve retomar o assunto na volta do recesso parlamentar. 

“São temas que ainda estão embrionários no Brasil, mas vão se delineando de uma forma melhor à medida que ele vai tramitando dentro das Casas legislativas e inicia um trabalho dentro do Poder Executivo”, afirma Bontempo.

Confira a entrevista com Davi Bontempo na íntegra no YouTube do Bom Dia Mercado, ou clicando aqui.

Veja Também