Economia

Bolsas avançam com aperto extra do Fed fora da pauta após inflação americana esfriar mais que o previsto

Atualizado 14/11/2023 às 12:09:09

[14/11/23] Da Redação do Bom Dia Mercado

A queda na inflação americana sugere que a política monetária tem feito o seu trabalho e torna cada vez mais provável a perspectiva de uma aterrissagem suave. Os preços subiram a um ritmo mais lento em todos os níveis, mostrou o CPI nesta manhã, com boas notícias no supercore, medida que o Fed observa e que inclui serviços básicos menos habitação.

Esse indicador subiu um terço do ritmo de setembro. Trazer a inflação de volta para a meta de 2% tem sido o principal objetivo da série de aumentos de taxas de juro pelo Fed, o que significa que os decisores irão acolher com satisfação o novo arrefecimento dos preços. As bolsas avançam, dólar e juros derretem com os mercados precificando zero chance de um aumento das taxas em dezembro e antecipando o primeiro corte de juros para maio, de junho antes.

Há pouco Dow ganhava +1,32%, o S&P +1,69% e Nasdaq +2,08%. O Ibovespa vai a 123.092,13 pontos (+2,23%). O DXY despenca 1,05% (104,519), em meio à queda generalizada da moeda americana. Ante o real, perde 1,02%, a R$ 4,8577. Nos Treasuries, o rendimento de 2 anos, mais sensível à política, estava em 4,85% perto do meio-doa, de 5,04%; o de 10 anos a 4,45%, de 4,63%, seguido de perto pelos juros futuros aqui, que cedem em torno de 15 pontos, com Jan/27 recuando 21 pontos. (Ana Katia)

Veja Também