Express

BDM Express: PIB testa FED e Haddad vence briga fiscal

Atualizado 30/08/2023 às 06:00:33

A esperança renovada ontem de que o Fed pode ter dado por encerrado o ciclo de aperto monetário será posta em xeque hoje pelos dados de emprego de agosto da ADP (9h15) e pela revisão do PIB/2Tri nos EUA (9h30). Amanhã, ainda tem o PCE e, na 6ªF, o payroll.

Em Brasília, a Câmara aprovou o requerimento de urgência do PL da desoneração da folha, que será votado hoje, em uma derrota para a Haddad, que, em outra frente, ainda vem sofrendo fogo amigo. A ala política do governo tenta sabotar o compromisso da Fazenda com déficit zero em 2024, mas o ministro conseguiu defender ontem a reputação fiscal junto ao presidente Lula.

Pouco antes da reunião da tarde desta 3ªF da Junta de Execução Orçamentária (JEO) houve rumores de pressões sobre a mudança da meta fiscal. Circularam especulações de que, em queda de braço com Haddad, os ministros Rui Costa, Esther Dweck e Tebet decidiram apoiar déficit primário de até 0,75% do PIB, ao invés de zero.

A ideia teria sido levada para a reunião com Lula, que arbitrou a favor de Haddad. O ministro saiu do encontro dizendo à imprensa que “não tem nenhuma alteração de rota” no Orçamento para o ano que vem. Segundo ele, o projeto será encaminhado com “resultado equilibrado”.

Foi importante Tebet ter negado ontem à noite ao Estadão que tenha defendido a mudança da meta de zerar o déficit. É a prova de que ela continua jogando junto com Haddad. Segundo ela, sugerir alteração da meta fiscal tendo as receitas necessárias em discussão no Congresso e, ainda, de última hora, contraria a própria lógica de planejamento orçamentário.

DESONERAÇÃO DA FOLHA – Atropelando o governo, a Câmara aprovou o requerimento de urgência apresentado ao PL que prorroga a desoneração da folha de salários para 17 setores da economia até 2027. A matéria, assim, não passará por comissões e será analisada já hoje em plenário.

REFORMA TRIBUTÁRIA – O debate do tema no Senado com os governadores não avançou e foi esvaziado, diante da ausência dos governadores Tarcísio (SP), Zema (MG) e Cláudio Castro (RJ). Dos 27 governadores, só 15 compareceram. Raquel Lyra (PE) pediu reunião fechada dos governadores com o relator em setembro.

PLANO PLURIANUAL – Será entregue por Lula ao Congresso nesta manhã, em cerimônia com Pacheco e Lira.

MAIS AGENDA – Pela primeira vez desde março, o IGP-M (8h), que só vinha apresentando deflação, deve subir: +0,02% em agosto (mediana do Broadcast), após recuo de 0,72% em julho. Os dados do emprego formal do Caged em julho devem ser informados por volta das 9h. À tarde (14h30), o mercado projeta déficit primário de R$ 31,90 bilhões para as contas do governo central em julho. No mesmo horário, sai o fluxo cambial semanal.

LÁ FORA – O relatório da ADP (9h15) sobre emprego no setor privado dos EUA deve apontar a abertura de 200 mil vagas em agosto. O PIB/2Tri (9h30) deve ser revisado para 2,6%, de 2,0% no 1Tri. Ainda nos EUA, saem as vendas pendentes de imóveis em julho (11h) e os estoques de petróleo do DoE (11h30). Na zona do euro, sai o índice de sentimento econômico em agosto (6h). Na Alemanha, será divulgada a preliminar do CPI, às 9h. À noite (22h30), tem PMI composto na China.

O BDM Express é a versão resumida do BDM Morning Call, referência da pré-abertura do mercado financeiro há 20 anos. Conheça todos os produtos do Bom Dia Mercado

Veja Também