Morning Call

Semana tem PCE nos EUA e agenda cheia no Brasil

Atualizado 23/06/2024 às 23:57:52

https://www.bomdiamercado.com.br/wp-content/uploads/2024/02/MC7-scaled.jpg

Por Rosa Riscala e Mariana Ciscato*

[24/06/24]

… O índice de preços de gastos com consumo em maio nos EUA (PCE), métrica de inflação preferida do Fed, é o destaque dos indicadores nos mercados internacionais, mas só na 6ªF. Antes, a agenda tem dados importantes, como a leitura final do PIB americano no 1Tri, decisão de política monetária na Turquia e México, e o primeiro debate presidencial entre Trump e Biden – 5ªF à noite. Aqui, o Congresso fica esvaziado pelas festas juninas no Nordeste, sem pautas de consenso para as sessões remotas, mas a semana será bastante movimentada pela ata do Copom amanhã, o IPCA-15 na 4ªF, junto com as contas do Governo Central, o Relatório Trimestral de Inflação e dados do emprego do Caged (5ªF) e, finalmente, Pnad Contínua e o resultado fiscal consolidado do setor público (6ªF).

… Já hoje serão conhecidos os números das transações correntes de maio (8h30), com previsão de déficit de US$ 3,05 bilhões, segundo a mediana de pesquisa Broadcast junto ao mercado financeiro. Em abril, o saldo negativo registrado foi de US$ 2,516 bilhões.

… Para o Investimento Direto (IDP), a mediana indica entrada de US$ 5,0 bilhões em maio, após superávit de US$ 3,867 bilhões em abril.

… Apesar de ainda positivo, o saldo mais modesto previsto para a balança comercial de bens em maio não deverá ser suficiente desta vez para compensar os déficits esperados nas contas de renda primária e de serviços, avaliam economistas.

… Cinco minutos antes das contas correntes, a pesquisa Focus (8h25) poderá mostrar um recuo nas expectativas de inflação, depois que o BC mostrou consenso em relação à decisão do Copom, o que o mercado pedia para recuperar a confiança na política monetária.

… É possível, ainda, que sejam divulgados hoje os dados da Receita sobre a arrecadação de maio.

… Quanto à ata, nesta 3ªF, deve trazer os argumentos da unanimidade para a interrupção do ciclo de quedas da Selic e a sinalização que o comunicado já antecipou de que os juros não devem mais cair neste ano, com a taxa mantida em 10,50%.

… O cenário alternativo de inflação introduzido pelo BC, que projetou um IPCA de 3,1% no fim de 2025 (na meta), considerando uma Selic estável em 10,50% no horizonte relevante, foi interpretado como o sinal de que a Selic deve permanecer parada.

… Essa é a expectativa da ampla maioria do mercado. De 42 casas consultadas pela Agência Estado após o Copom, 35 (83%) não esperam mais nenhum corte este ano. Apenas sete casas (16,6%) ainda projetam novas reduções em 2024, a partir de setembro.

… Embora algumas casas, como Citi e Itaú, não vejam espaço para a retomada do afrouxamento nem em 2025, a retomada das quedas no ano que vem segue nas projeções da maioria, com a confirmação do corte de juros pelo Fed e o novo BC.

… A unanimidade no Copom foi bem recebida, tirando do horizonte de curto prazo uma ameaça de deterioração maior das expectativas, mas o risco de o governo não conseguir cumprir o arcabouço fiscal e as dúvidas sobre a sucessão no BC adicionam cautela.

… Para alguns analistas, o time de Gabriel Galípolo (os quatro diretores indicados por Lula) votou junto com a maioria do colegiado (cinco), porque sabia que seria derrotado. Além disso, temia por nova onda de ruídos, com pressão sobre os juros e o câmbio.

… Segundo essa tese, as coisas podem mudar a partir de janeiro de 2025, quando o governo terá sete das nove cadeiras do Copom.

… Ainda que tal cenário se comprove, o mercado prefere Galípolo a André Lara Resende, que tem o apoio do PT como expoente da Teoria Monetária Moderna (MMT), segundo a qual, os governos podem expandir gastos e emitir quanto quiserem para financiar suas dívidas.

… Sobre Resende, o mercado não acredita que Lula arriscaria a esse ponto e reagiu com descrédito à campanha de ala mais à esquerda do PT, avaliando que estão apenas “colocando o bode na sala”, segundo apurou a Coluna do Estadão.

MAIS AGENDA – A semana tem ainda como destaque a reunião do CMN (4ªF), antes de viagem internacional de Campos Neto, na 5ªF. O colegiado costumava usar as reuniões de junho para deliberar sobre a meta de inflação três anos à frente.

… Em 2023, o CMN anunciou a mudança no sistema de metas, de ano-calendário para contínua. Essa alteração eliminaria a necessidade de o colegiado deliberar sobre a meta de 2027, que ainda não foi formalizada pelo governo.

… No início do mês, Haddad garantiu que o decreto que regulamenta a mudança da meta sairia antes do CMN.

DESONERAÇÃO – Reportagem do Poder 360 revelou que o governo receberá do Congresso nova proposta para compensar a desoneração da folha de pagamentos de 17 setores, após o fracasso da MP do PIS/Cofins.

… A ideia defendida por alguns parlamentares é ressuscitar o PL 1.583/2022, que antecipa recebíveis da PPSA (Pré-Sal Petróleo). A receita poderia passar dos R$ 300 bilhões. Há estimativas no mercado de até R$ 500 bilhões.

… Esse volume não só cobriria a renúncia da desoneração, como ajudaria a equipe econômica a zerar o déficit.

PLANO SAFRA – Será lançado na 4ªF e será recorde para estimular produção, disse o ministro Carlos Fávaro (Agricultura).

PETROBRAS – Segundo fontes consultadas pelo Broadcast, os três nomes indicados à diretoria não devem enfrentar dificuldades e podem ser aprovados em reunião ordinária do conselho marcada para a próxima 6ªF.

HADDAD – Reúne-se hoje (9h30) com o secretário extraordinário da Reforma Tributária, Bernard Appy, na sede do ministério em Brasília. Às 11h, Haddad tem reunião com o secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron.

CAMPOS NETO – Tem agenda de despachos internos nesta 2ªF, em São Paulo. Não há previsão de compromissos públicos.

LÁ FORA – A agenda importante da semana nos EUA mede as chances de dois cortes de juro este ano.

… Indicador de inflação olhado mais de perto pelo Fed, o PCE de maio sai na 6ªF, um dia depois da leitura final do PIB/1Tri. Ainda no horizonte próximo, semana que vem (dia 5) tem payroll e, no dia 11, o CPI de junho.

… Amanhã, saem o índice de atividade nacional de maio medido pelo Fed de Chicago e a confiança do consumidor medida em junho pelo Conference Board. Na 4ªF, vêm as vendas de moradias novas em maio.

… Ainda na 4ªF, o Fed realiza testes de estresse bancário, depois de ter feito alertas na 6ªF (abaixo).

… Hoje, a presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, fala sobre política monetária em evento (15h).

… As decisões de política monetária na Turquia e no México estão marcadas para 5ªF. Também a Colômbia decide sobre juros na 6ªF.

CHINA – No próximo final de semana, serão divulgados o PMI composto oficial de junho (sábado à noite) e a leitura final de junho do PMI industrial medido pelo setor privado (noite de domingo).

ISRAEL X EUA – Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse ao seu gabinete neste domingo que houve “queda dramática” nas remessas de armas dos Estados Unidos para a guerra em Gaza. A última entrega ocorreu há quatro meses.

… No sábado, pelo menos 39 pessoas foram mortas por ataques israelenses no norte da Faixa de Gaza; os ataques ocorreram um dia depois de 25 palestinos terem sido mortos em uma ofensiva em direção a acampamentos perto da cidade de Rafah.

… Ainda no fim de semana, o Financial Times publicou uma crítica do Gabinete de Orçamento do Congresso, afirmando que os pacotes de ajuda à Ucrânia e Israel elevarão o déficit fiscal dos EUA neste ano para US$ 1,9 bilhão.

FRANÇA – O partido União Nacional, liderado por Marine Le Pen, tem 36% nas intenções de voto para as eleições legislativas no próximo domingo, à frente do partido de esquerda Nova Frente Popular, com 27% das intenções, segundo a pesquisa da Elabe.

… O partido do presidente Emmanuel Macron vem em terceiro lugar, com 20% das expectativas de voto.

UNIÃO EUROPEIA & MERCOSUL – Ainda neste domingo, o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, e o presidente da Argentina, Javier Milei, trataram do acordo e concordaram que “as negociações deveriam ser concluídas rapidamente”.

ACOMODAÇÃO DO ESTRESSE – Fora um pico pontual de cautela registrado na tarde de 6ªF, quando o presidente Lula voltou ao ataque e chamou Campos Neto de “adversário político e ideológico”, o pregão passou com tranquilidade.

… Continuou repercutindo entre os investidores o alívio com a unanimidade do Copom na interrupção dos cortes da Selic, apesar das incertezas que ainda cercam a transição no comando do BC no final do ano.

… Questionado durante entrevista em uma rádio do Nordeste sobre a recente escalada do dólar, Lula disse que “não preocupa”, porque está chegando o momento de trocar o comando do BC e que logo as coisas voltarão à normalidade.

… Enquanto o presidente falava, o dólar chegou a zerar a queda, atingindo a máxima em R$ 5,4625. Mas logo driblou a volatilidade e voltou a cair, devolvendo parte da pressão recente, em movimento de realização.

… Após cinco sessões seguidas em alta, quando bateu na maior cotação em quase dois anos, a moeda norte-americana fechou em baixa moderada de 0,39%, a R$ 5,4408, reduzindo a alta acumulada na semana a 1%.

… A correção contrariou a tendência externa de alta do dólar, diante de indicadores mais fortes nos EUA.

… O efeito negativo da retórica de Lula contra RCN e a Faria Lima chegaram a abalar momentaneamente também a curva do DI na 6ªF, mas, assim como aconteceu no câmbio, o impacto se provou passageiro.

… Mesmo com as dúvidas sobre a sucessão no BC e o ajuste fiscal, os juros futuros descontaram os riscos e devolveram prêmios, aliviados pelo fato de o dólar ter conseguido parar de subir antes de bater em R$ 4,50.

… A percepção de que o Copom não se dobrou às pressões políticas continuou repercutindo positivamente na curva do DI, que esta semana tem o desafio da agenda importante aqui e lá fora (ata, RTI, Focus e PCE nos EUA).

… Os juros futuros mais longos foram os que mais caíram, sintonizados ao recuo dos yields dos Treasuries.

… No fechamento, o DI Jan/25 caía a 10,585% (de 10,630% na véspera); Jan/26 recuava para 11,135% (de 11,230%); Jan/27, a 11,505% (de 11,600%); Jan/29, 11,925% (de 12,030%); e Jan/31, 12,060% (de 12,170%).

GÁS EXTRA – Em dia de vencimento de opções sobre ações no Ibovespa, que turbinou o volume financeiro para R$ 30,2 bilhões, o índice à vista parou de patinar e conseguiu reconquistar o patamar dos 121 mil pontos.

… Nos pregões anteriores, o Ibovespa até vinha subindo, mas tão devagar, que mal dava para ensaiar algum ânimo. Na 6ªF, subiu com maior força (0,74%), a 121.341,13 pontos, completando a quarta alta consecutiva.

… Os papéis dos bancos chegaram a elevar a volatilidade com os comentários de Lula de que as instituições financeiras privadas só “querem especular e ganhar dinheiro com juros”. Mas contornaram o desconforto.

… Bradesco PN fechou estável (-0,08%, a R$ 12,40) e Santander caiu muito pouco (-0,18%, a R$ 27,54). Já Bradesco ON (+0,63%; R$ 11,14), Itaú (+0,57%; R$ 31,88) e BB (+0,83%; R$ 26,61) exibiram maior fôlego.

… Vale não conseguiu superar o recuo de 1,70% do minério de ferro e fechou em queda de 0,93%, a R$ 60,83.

… No noticiário da empresa, o Valor informou que alguns acionistas querem antecipar a escolha do novo CEO para o 2º semestre, enquanto o atual presidente, Eduardo Bartolomeo, tenta prolongar sua permanência até dezembro.

… A busca pelo sucessor enfrenta dificuldades pela necessidade de um executivo disponível imediatamente. Uma solução caseira, de profissionais internos como Gustavo Pimenta e Carlos Medeiros, não é descartada.

… A consultoria Russell Reynolds está conduzindo entrevistas para ajudar na escolha do futuro CEO. O governo também tem interesse em um nome que promova o crescimento e investimentos em minérios críticos.

… Sob as forças do game das opções, Petrobras PN subiu 0,60%, a R$ 36,72, mas ON cedeu 0,23%, a R$ 38,31. Lá fora, o dólar forte roubou as forças do petróleo e o Brent para setembro recuou 0,62%, a US$ 84,33 por barril.

… Sabesp disparou 3,87%, de olho no processo de privatização, que começa a entrar em sua reta final. A empresa definiu os termos e condições finais para seleção do investidor de referência no âmbito da oferta pública.

… Após o fechamento dos negócios, a companhia divulgou o prospecto (leia mais abaixo, no Em tempo…)

JO NO CREO EN BRUJAS – Em dia de “triple witching” (vencimento triplo de opções sobre ações, índices e futuros), Nvidia (-3,22%) afundou pelo segundo pregão seguido, mas NY não se apavorou com um estouro da bolha da IA.

… “Pode continuar inflando”, observou a consultoria Capital Economics, que projeta novas investidas de alta do S&P 500 nos próximos meses e elevou sua projeção para o índice no fim do ano para 6 mil pontos, contra 5.500 antes.

… O S&P 500 recuou 0,16% no último pregão, a 5.464,62 pontos, o Nasdaq também perdeu pouco (-0,18%; 17.689,36 pontos) e o Dow Jones fechou estável (+0,04%; 39.150,33 pontos), apesar da correção do setor de tecnologia.

… Os bancos também caíram, após comunicado do Fed apontar problemas em planos de resolução (para quebras ou eventuais estresses financeiros) no BofA (-1,25%), Goldman Sachs (-1,68%), JPMorgan (-1,19%) e Citigroup (-1,04%).

… Na agenda dos indicadores do dia, o PMI composto dos EUA subiu para 54,6 na leitura preliminar de junho e as vendas de moradias usadas caíram 0,7% no período, em ritmo bem menor do que apontava a estimativa de -1,7%.

… Os sinais de economia aquecida causaram repique pontual nas taxas dos Treasuries curtos, sensíveis às decisões de política monetária. No fechamento, porém, o juro da Note-2 anos voltava à estabilidade (4,727%, de 4,728%).

… No câmbio, não foi só o dólar que subiu com os dados fortes nos EUA, mas também as moedas europeias que caíram com a atividade fraca na zona do euro e a preocupação crescente com as eleições na França e Reino Unido.

… Neste domingo, Isabel Schnabel (BCE) disse que a última etapa do processo de desinflação da zona do euro está se provando instável. O euro recuou 0,12%, a US$ 1,0696, e a libra esterlina perdeu 0,08%, a US$ 1,2647.

… O índice DXY registrou alta de 0,2%, a 105,796 pontos. Sob risco de intervenção do BoJ, o iene caiu a 159,56/US$. Na última vez em que o dólar chegou a 160 ienes, em abril, o governo japonês tomou medidas contra a volatilidade.

EM TEMPO… Prospecto da oferta de ações que vai privatizar a SABESP foi divulgado na noite de 6ªF…

… Operação terá lote base que prevê a venda de 191.713.044 ações, que poderá ser aumentado em um lote adicional em mais 28.756.956 ações em caso de demanda forte…

… Preço da ação usado como referência foi de R$ 72,06, abaixo do valor de fechamento nesta 6ªF, de R$ 75,05…

… Pelo preço estabelecido como referência, a empresa informou que a oferta pode movimentar R$ 13,815 bilhões considerando o lote base e, somado o lote suplementar de R$ 2,072 bilhões, pode atingir até 15,887 bilhões…

… Esta é a maior oferta de ações do ano na B3 e uma das maiores em curso no mundo; no Brasil, é a maior do mercado desde a operação que privatizou a Eletrobras, que movimentou R$ 34 bilhões, em julho de 2021…

… A primeira etapa do processo de bookbuilding começa em 1º de julho e a divulgação do investidor de referência está prevista para o dia 16; período de reservas de ações vai de 1º de julho a 15 de julho…

… O encerramento do processo de bookbuilding é 18 de julho; liquidação da operação está prevista para 22 de julho; interessados em ser investidor de referência terão entre hoje e 6ªF para manifestar suas intenções de preço…

… Este investidor ficará com 15% da Sabesp e não poderá se desfazer de suas ações até 2029, além de não poder investir em áreas em outros locais que concorram com a companhia…

… Empresa apresentou na SEC um amplo prospecto detalhando seu processo de privatização, mas sem especificar datas da operação e valores…

… O empresário Nelson Tanure se cadastrou para o leilão de privatização da Sabesp, mas é improvável que faça uma oferta ou integre algum consórcio…

… Equatorial e Aegea continuam sendo as duas empresas que concorrem, de fato. (O Globo/Lauro Jardim)

B3. Vencimento de opções sobre ações, BDRs, Units e cotas de ETF movimentou R$ 25,439 bilhões na 6ªF; entre essas operações, R$ 6,159 bilhões foram de opções de compra e R$ 19,280 bilhões foram de venda.

BB Seguridade aprovou distribuição de R$ 2,7 bilhões em dividendos; valores por ação e datas de pagamento e de negociações ex-dividendos serão informados após a divulgação do balanço do 2TRI, em 5/8.

LOCALIZA aprovou a distribuição de R$ 422,6 milhões em JCP, o equivalente a R$ 0,3979 por ação, com pagamento em 19/8; ex a partir de 27/6…

… Conselho aprovou ainda aumento do capital de, no mínimo R$ 68.081.479,56 e, no máximo, R$ 359.269.259,76, mediante emissão de ações ON, nominativas, escriturais e sem valor nominal para subscrição privada.

MULTIPLAN aprovou a distribuição de R$ 135 milhões em JCP, o equivalente a R$ 0,2336 por ação, com pagamento em 30/6/25; ex em 27/6/24.

AMBIPAR ESG captou R$ 1,2 bilhão em debêntures, em oferta pública que teve registro no último dia 18; operação deve ser liquidada amanhã.

RUMO MALHA PAULISTA fará resgate antecipado da primeira série da 2ª emissão de debêntures; liquidação na 4ªF.

COGNA realizará o resgate antecipado facultativo total das debêntures da 6ª emissão, a ser liquidado na 4ªF.

AÉREAS. Anac suspendeu limite de 2.714 voos semanais no Aeroporto de Guarulhos, que havia sido adotado por preocupações com segurança nos pátios das aeronaves, em especial nas operações noturnas e períodos de chuva.

APPLE mantém discussões com a Meta sobre a integração do modelo de inteligência artificial da Meta Platforms ao Apple Intelligence, sistema de IA recentemente anunciado para iPhones e outros dispositivos. (DJ)

AOS ASSINANTES DO BDM, BOM DIA E BONS NEGÓCIOS!

*com a colaboração da equipe do BDM Online

AVISO – Bom Dia Mercado, produzido pela Mídia Briefing, não pode ser copiado e/ou redistribuído.

Compartilhe:


Veja mais sobre:


Veja Também